jueves, 9 de febrero de 2017

GREMIO * PARTE 1

GREMIO * PARTE 1
Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense (conhecido apenas por Grêmio) é um clube de futebol brasileiro da cidade de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, fundado em 15 de setembro de 1903[2] e suas cores são o azul, preto e branco.
Nome     Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense
Alcunhas               Tricolor dos Pampas  Imortal Tricolor
Torcedor/Adepto  Gremista  Tricolor
Mascote                 Mosqueteiro[1]
Fundação              15 de setembro de 1903 (112 anos)[2]
Estádio                  Arena do Grêmio
Capacidade           55.538 pessoas[3]
Localização           Porto Alegre, RS, Brasil
Presidente             Romildo Bolzan Júnior[4]
Treinador              Roger Machado[5]
Patrocinador         Banrisul  TIM  Unimed
Material esportivo   Umbro

HISTORIA DO GREMIO
Introdução
O jogo terminou 2 a 1 para Grêmio, repetindo o resultado da final de 1983, onde o clube gaúcho conquistou o título da Copa Intercontinental. O jogo teve gols de André Lima e Marcelo Moreno para o Grêmio e Heiko Westermann para o Hamburgo.
Já foi campeão da Copa Libertadores da América em duas ocasiões e vice em duas outras oportunidades, campeão da Copa Intercontinental uma vez se tornando o primeiro clube gaúcho a vencer um torneio intercontinental, sendo vice contra o Ajax da Holanda em outra ocasião, além de campeão da Recopa Sul-Americana.
Também já venceu trinta e seis vezes o Campeonato Gaúcho e uma vez a Copa FGF.[6]
Atualmente ocupa o segundo lugar no Ranking da CBF, publicado no final de 2015, com 14.210 pontos[7] , é o sexto melhor clube brasileiro no Ranking da CONMEBOL, publicado em 18 de fevereiro de 2013, ocupando o décimo sétimo lugar na tabela geral com 156,7 pontos,[8] e é o quarto melhor clube brasileiro no Ranking Mundial de Clubes da IFFHS, publicado em 4 de março de 2013, ocupando o vigésimo terceiro lugar na tabela geral com 202 pontos.[9]
O clube já revelou vários futebolistas de renome internacional ao longo de sua história, como Lucas Leiva, Anderson, Emerson, Renato Portaluppi, Ânderson Polga e Ronaldinho Gaúcho.[10] [11]
O Grêmio é um dos clubes de futebol com o maior número de associados no Brasil. O Tricolor possui pouco mais 88 mil associados em dia, conforme dados de dezembro de 2015.[12] De acordo com o balancete oficial, a renda média de 2014 que os sócios geraram ao clube chegou a quatro milhões de reais mensais.[13]
Além disso, conforme pesquisa do IBOPE realizada em junho de 2014, o Grêmio tem a oitava maior torcida do Brasil, com 3% (com margem de erro de 1 ponto percentual) da preferência nacional, o que equivale a 6 milhões de pessoas. À sua frente, há apenas clubes do Rio de Janeiro, de São Paulo e de Minas Gerais.[14] O instituto Datafolha registra que o Imortal Tricolor também tem a sexta maior torcida do país, com 4% da população nacional de torcedores, segundo dados de junho de 2014.[15]
Segundo o mesmo centro de pesquisas, em pesquisa realizada no início do ano, o clube tem 44% da preferência dos gaúchos e de 47% dos porto-alegrenses.[16] No estado, conforme o Top of Mind da revista Amanhã, mais de 50% dos gaúchos citaram o Grêmio como o time de futebol mais lembrado em 2012; há dezessete anos o clube é o mais lembrado.[17]
A Pluri divulgou seu levantamento de final de temporada de 2014 com os 25 times mais valiosos do Brasil, e de acordo com seus critérios para estimar o valor de mercado de cada jogador, o Grêmio é o 9º clube de futebol mais valioso do Brasil, com valor estimado em 144,7 milhões de reais.[18]
História
PAVILHAO DA BAIXADA 1912

AUGUSTO KOCH UM DOS FUNDADORES DO GREMIO- 1905

1903-1936 — O início e o Profissionalismo
A história do Grêmio data de antes de sua fundação. Porto Alegre, em 1903, tinha 120 mil habitantes.[1] Um fato importante para a criação do clube foi a disputa de um jogo de futebol entre o primeiro e o segundo Rio Grande, uma exibição preparada em 7 de setembro de 1903 e realizada no campo da Várzea (atual Parque Farroupilha).[2] Após o esvaziamento da bola da partida, o paulista Candido Dias da Silva, um comerciante sorocabano, emprestou a pelota que trazia. Em troca do favor, ele recebeu lições de como se fundar um clube de futebol;[2] oito dias depois, trinta e dois homens se reuniram no Salão Grau, restaurante de um hotel da rua 15 de Novembro (atual rua José Montauri), no Centro de Porto Alegre e fundaram o Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense.[3]
A primeira sede oficial do clube foi declarada como sendo na rua Santa Catarina, número 47 (atual rua Dr. Flores, no centro de Porto Alegre). Carlos Luiz Bohrer foi nomeado presidente. No dia 30 de setembro, as cores do clube foram decididas: as camisetas seriam havana e azul listradas horizontalmente com uma faixa branca na cintura, calções e meias pretas. À época, também definiram-se outros acessórios já obsoletos, como gravatas (na cor branca) e boné.[4]
O primeiro jogo do recém fundado clube ocorreu em 6 de março de 1904, contra o FussBall Club Porto Alegre, fundado no mesmo dia que o Grêmio. Em uma jornada dupla (dois jogos na mesma tarde), o Grêmio garantiu as duas primeiras vitórias de sua história, vencendo ambos por 1 a 0.[4] Em 20 de julho de 1904, o uniforme foi mudado para um modelo metade azul metade preto.[4]
Sem estádio, os treinos nos anos inicias eram realizados na várzea do Gravataí (local do atual Aeroporto Salgado Filho), na várzea da Redenção, perto da Gruta da Glória, no Morro da Polícia e no bairro Floresta. Em 1904, a direção resolveu construir um estádio próprio. O local escolhido ficava no bairro Moinhos de Vento, próximo do Prado da Independência e do clube Tiro Alemão (onde atualmente localiza-se o clube Caixeiros Viajantes). A área pertencia a Hemetério Mostardeiro (família que possuía a maior parte das terras da região e dava nome informal ao local: Mato Mostardeiro), herdada de seu pai, Antônio José Gonçalves Mostardeiro. Tradicionalmente, era um local frequentado por famílias ricas da Capital. Com um empréstimo junto ao Brasilianische Bank Für Deutschland, o clube comprou a propriedade dos Mostardeiro por dez contos de réis. O jogo de inauguração ocorreu em agosto de 1904 entre duas formações do próprio clube. Em abril de 1911, após vender títulos a sócios por cinquenta mil-réis, o Grêmio comprou mais uma quadra dos Mostardeiro e expandiu o "Fortim da Baixada"; o novo pavilhão, apelidado de Pombal, ficou pronto em outubro de 1912. Em 1918, este pavilhão foi reformado e tornou-se a primeira sede própria do clube.[5]
A primeira competição disputada foi a Taça Wanderpreiss, com a primeira edição em 6 de março de 1904, vencido pelo Grêmio contra o Fussball Club Porto Alegre.[3] [6]
A tradição, portanto, começou a se criar. Alguns anos depois, em 18 de julho de 1909, o primeiro jogo contra o Sport Club Internacional, que mais tarde se tornaria o seu arquirrival, foi disputado, com vitória de 10-0 para os tricolores. No ano seguinte, foi criada a 1ª Liga de Clubes de Porto Alegre, por ideia vinda do Grêmio. Posteriormente, foi realizado o Campeonato Citadino de Porto Alegre, o qual o Tricolor venceu ininterruptamente de 1911 a 1915. Mesmo amador, o clube já jogava contra equipes de outros estados, ou até mesmo países.[3]
Na década seguinte, a hegemonia do clube se seguiu. O pentacampeonato metropolitano (1919-1923) e o título de três Campeonatos Gaúchos (1921/22 e 1926), competição esta criada em 1920. Os anos 1930 continuaram dando combustível ao desenvolvimento do Grêmio. Conquistas como o tetracampeonato de Porto Alegre (1930-1933) e o bicampeonato gaúcho (1931/32). O auge de tal era foi 1935, com o famoso Grenal Farroupilha, nome dado, na verdade, ao campeonato citadino inteiro, por ocasião do centenário da Revolução Farroupilha. Ao ganhar do tradicional rival, o Tricolor sagrou-se campeão. Esta foi a última partida de Eurico Lara, que havia começado a jogar pelo clube em 1920, transformando-se em uma lenda do clube. Portanto, tal época proveu ao clube tanto títulos quanto o início da sua tradição e respeito.[3] [7]
CONSTRUCAO DO ESTADIO OLIMPICO DO GREMIO

1937-1953 — O profissionalismo no clube
Após uma onda de profissionalizações do futebol na América do Sul, no início da década de 1930, o Rio Grande do Sul resolveu também migrar para esse novo modo de gerenciar o futebol. No ano de 1937, foi criada no estado a Especializada, departamento profissional filiado à Federação Brasileira de Futebol. Esta fez um campeonato metropolitano não relacionado com o antigo citadino, realizado pelo Federação Rio-Grandense de Desportos (atual Federação Gaúcha de Futebol), que era filiada à Confederação Brasileira de Desportos. Até 1939, mesmo ganhando os três metropolitanos, o Grêmio não se classificou para o Campeonato Gaúcho, por causa de tal divergência, é dirimida nos anos 1940. Com a criação do Conselho Nacional de Desportos, o profissionalismo foi oficialmente adotado pelo Tricolor.[3]
No final de 1949, o Grêmio realizou a primeira temporada no exterior de um time gaúcho ao ir para a América Central.[8] No ano seguinte, já pensando em construir um novo estádio, visto que a Baixada estava se tornando insuficiente para o clube, foi realizado um concurso para escolher uma proposta de estádio. No dia 8 de janeiro de 1951, foi escolhida a proposição de Plínio Oliveira Almeida, Naum Turquenitch e Edison Ribeiro.[9]
Em 1952, o Grêmio contratou pela primeira vez em sua história um atleta negro, Tesourinha. O jogador veio do Vasco da Gama.[10] Contudo, na década de 1920, já havia jogadores afro-descendentes no clube, porém, não de forma oficial: Adão Lima (de 1925 a 1935), Hélio e Mário Carioca (ambos na década de 1940) e Hermes da Conceição (1947 a 1950) já haviam jogado no Tricolor, anteriormente.[8]
Em 1953 e 1954, o Grêmio fez a sua segunda excursão internacional, desta vez pelo México), Equador e Colômbia.[3] Em abril de 1953, foi iniciada, finalizada apenas em 1954.[8] [9] Telêmaco frazão de Lima era o treinador.[8]
1954 INAUGURACAO DO ESTADIO OLIMPICO DO GREMIO


1954-1980 — O estádio e o hepta gaúcho
Em 19 de setembro de 1954, o Grêmio inaugurou o seu maior projeto desde a sua fundação: o Estádio Olímpico. Com capacidade para 38 mil pessoas, ele tinha um só anel. No jogo de inauguração, o Grêmio venceu o Nacional, de Montevidéu por 2-0. O presidente, na época era Saturnino Vanzelotti.[9]
Nos anos seguintes, o Grêmio disputou treze campeonatos e venceu doze. Conquistou o pentacampeonato Gaúcho e Metropolitano (1956-1960) e o heptacampeonato Gaúcho (1962-1968), sendo esta a maior sequência de títulos do Gauchão do clube.[3] No Gauchão de 1956, bateu o Pelotas; nos anos seguintes, venceu na final o Bagé, o Guarany de Bagé e o Clube Esportivo Aimoré, respectivamente.[8] O Campeonato de 1960 foi decidido em jogos entre quatro equipes (Grêmio, Pelotas, 14 de Julho e Esporte Clube Nacional).
O Tricolor também participou da Taça Brasil, que reunia os campeões estaduais, em quase todos estes anos, tendo sido três vezes semifinalista (1959, 1963 e 1967). Também jogou o Torneio Roberto Gomes Pedrosa, e atingiu seu ponto máximo em 1967, quando chegou ao quadrangular final, mas acabou ficando em quatro lugar. Esta época também deu ao clube os títulos do Campeonato Sul-Brasileiro de 1962, de forma invicta, e da Copa Río de La Plata, em 1968 (esta a primeira conquista internacional).[3] Seguindo a onda iniciada no estado pelo Cruzeiro, de Porto Alegre, que havia excursionado à Europa em 1953, o Tricolor também foi ao Velho Continente, em 1961 e 1962.[3] [11]
Em 1970, o Grêmio teve a primeira convocação de um jogador para a Seleção Brasileira em ano de título mundial. Everaldo foi convocado para o escrete e ganhou uma estrela na bandeira do tricolor.[3] [12] Após o início da década de 1970 contar com domínio do adversário em relação aos Campeonatos Gaúchos, o Grêmio conseguiu, em 1977, reverter a situação e voltar a ser campeão do estado, onze anos após seu último título desse tipo. O Tricolor venceu o Internacional na final por 1-0, com gol de André Catimba e ficou com a taça. Este fato é tido como uma retomada do Grêmio, que culminou em grandes conquistas na década de 1980.[13]
1981-1982 — Prenúncio de conquistas
Os anos 1980 começaram bem para o Grêmio. Já em 1980, o time foi campeão do Gauchão. No Campeonato Brasileiro, uma sexta colocação foi conseguida, aquém, porém, dos melhores desempenhos na década passada (quinta em 1973 e 1974). No âmbito de patrimônio, o Estádio Olímpico foi ampliado e se tornou o "Olímpico Monumental", vista a grandeza da construção. O presidente na época era Hélio Dourado.[14] Em 1981, apesar de não ganhar o torneio regional, o Grêmio teve o seu melhor ano desde a sua fundação: conquistou o Brasileirão, que contava, então, com quarenta e quatro times. A final foi em um jogo emblemático contra o São Paulo, no Estádio do Morumbi, em que o Grêmio fez 1-0, com um gol de Baltazar. A partir daí, o Grêmio iniciou uma época de ascensão.[3]
1983 — O melhor ano da história
No ano de 1982, foi vice-campeão brasileiro, perdendo para o Flamengo na final, que só foi decidida em um jogo-desempate. Na sua primeira participação na Copa Libertadores da América, o time acabou sendo eliminado na primeira fase, mas ganhou experiência para a próxima Libertadores, a ser disputada no ano seguinte.[15]
Pode-se afirmar que, em termos de títulos, 1983 foi o melhor ano do clube em cento e onze anos de história. Neste espaço de tempo, uma Taça Libertadores e uma Copa Intercontinental, títulos inéditos para o Rio Grande do Sul. A primeira conquista foi feita em etapas: na primeira fase, o Tricolor foi campeão de seu grupo e "se vingou" (por causa do Brasileirão do ano anterior) do Flamengo, que não se classificou; na segunda fase, o time disputou um triangular com o Estudiantes de La Plata (com quem jogou a Batalha de La Plata, em que o time se viu obrigado a ceder o empate ao adversário depois de estar vencendo por 3-1, pela falta de condições de segurança) e com o América de Cáli; vencido o grupo anterior, a final estava desenhada contra o Peñarol, que foi batido por 3-2 no placar agregado (1-1 e 2-1), com destaque para as atuações de Tita (que marcou o gol em Montevidéu), César (que fez o gol decisivo em Porto Alegre) e Renato Portaluppi (que cruzou para o gol de César.[3]
Com a vitória na Libertadores, o Grêmio se classificou para disputar o Mundial Interclubes em Tóquio, contra o Hamburgo, que havia ganhado a Copa Europeia (antecessora da Liga dos Campeões da UEFA), vencendo a Juventus na final. Priorizando, obviamente, o Mundial, equipe acabou ficando na terceira colocação do Gauchão daquele ano. O dia da grande partida da história do clube foi 11 de dezembro de 1983, e o local era o Estádio Olímpico de Tóquio. Após sair vencendo com um gol de Renato Portaluppi, o Tricolor cedeu o empate aos alemães nos minutos finais. O jogo, então, foi para a prorrogação. No tempo extra brilhou a estrela de Portaluppi, que, aos três minutos marcou o gol. Como não era morte súbita, o time ainda sustentou o resultado até o final do jogo e comemorou o título de campeão Mundial, o maior do clube.[3] Renato, o herói do jogo, foi eleito o melhor em campo. Em Porto Alegre, a torcida comemorou em êxtase. Na volta para casa, o Grêmio ainda venceu a Los Angeles Cup, na cidade de Los Angeles, nos Estados Unidos, ao ganhador do América do México nos pênaltis (4-3) após empate de 2-2. Ao chegar em Porto Alegre, a delegação dos campeões desfilou pelas ruas em um carro de bombeiros..[16]
PORTO ALEGRE ANOS 80

1984-1990 — Mais títulos
Em 1984, o Grêmio não repetiu o ano anterior por detalhe. Após chegar novamente à final da Libertadores, foi derrotado pelo Independiente, pelo placar agregado de 1-0 (0-1 em casa e 0-0 fora). Contudo, o clube foi hexacampeão gaúcho (1985-1990).[3]
O título deu uma visibilidade enorme para o clube, que foi convidado para participar de vários torneios no exterior. Alguns dos mais importantes vencidos pelo time foram ; o Troféu Palma de Mallorca (Espanha) e a Copa Rotterdan (Países Baixos), em 1985; e o bicampeonato da Copa Phillips (Países Baixos e Suíça) em 1986 e 1987. Contudo, o clube já participava de torneios no estrangeiro anteriormente, visto que ganhou a Copa El Salvador del Mundo (El Salvador) e o Troféu Ciudad de Valladolid (Valladolid), ambos em 1981.[3]
O Grêmio venceu ainda a Copa do Brasil, em 1989 (vencendo o Sport na final), na primeira edição da competição. No ano seguinte, venceu a Supercopa do Brasil, superando o Vasco da Gama na final.[3]
1991-2002 — Queda e retomada
Em 1991, o Grêmio chegou pela segunda vez à final da Copa do Brasil, tendo sido derrotado pelo Criciúma de Santa Catarina, equipe treinada por Luiz Felipe Scolari, que ainda nesta década se consagraria como um dos maiores técnicos da história do Tricolor Gaúcho. No mesmo ano, contudo, o clube foi rebaixado pela primeira vez à Segunda Divisão, da qual sairia no ano seguinte.
Em 1993, o Tricolor voltou a vencer o Campeonato Gaúcho, que não conquistava de 1990. Nesse mesmo ano, Luiz Felipe Scolari, que já tivera uma passagem pelo clube, em 1987, foi contratado como treinador. Também em 1993, o time voltou à final de um campeonato nacional e foi vice-campeão da Copa do Brasil. No ano seguinte, o time de Felipão não deixou o título escapar, ao vencer o Ceará na final. O título deu direito ao clube de disputar a Copa Libertadores de 1995.[3] O time não disputava tal competição desde 1990, mas, mesmo algum tempo depois de disputá-la pela última vez, foi muito bem.
O time de Felipão contava com o ataque de Paulo Nunes e Jardel e Danrlei no gol, três dos principais jogadores do clube. Mesmo assim, não tinha um grande plantel, mas foi avançando na competição. O ponto alto, antes da final, foram os jogos contra o Palmeiras, pelas quartas de final: em Porto Alegre, 5-0 para os gaúchos e em São Paulo, 5-1 para os paulistas. Na final, o adversário foi o Atlético Nacional, da Colômbia. Com uma vitória de 3-1 em casa e empate de 1-1 fora, o título ficou com os brasileiros.[3]
Classificado para o Mundial Interclubes de 1995 contra o Ajax, o time empatou por 0-0 contra os neerlandeses, mas perdeu nos pênaltis por 4-3.[3]
Entretanto, já no ano seguinte, o clube deu mais uma conquista a sua torcida: o segundo Campeonato Brasileiro, conquistado após derrota em São Paulo contra a Portuguesa de Desportos por 2-0 e vitória pelo mesmo placar em Porto Alegre, com um gol de Aílton, nos minutos finais de partida. Também em 1996, o Tricolor venceu a Recopa Sul-Americana, ganhando do Independiente por 4-1. No ano seguinte, o título mais importante foi a Copa do Brasil, vencida após dois empates contra o Flamengo (0-0 em casa e 2-2 fora).[3]
Em 1999, as conquistas foram a Copa Sul e o Campeonato Gaúcho.[3] No ano de 2000, a direção do clube, então com o presidente José Alberto Guerreiro, firmou um contrato com empresa suíça ISL. A empresa bancaria contratações para o Grêmio, pagando o salário dos jogadores. Com essa parceria, o clube trouxe jogadores como Amato, Astrada, Paulo Nunes e Zinho. Os três primeiros foram pagos pela empresa suíça com três cheques em nome do Grêmio, que chegavam a 500 mil reais, mas os clubes donos de seus passes não receberam o dinheiro, que foi desviado. Após a falência da ISL, foi constado que o Grêmio estava quebrado, visto que teria que pagar por custos que antes a empresa parceira arcava.[17]
Em 2001 o clube venceu a Copa do Brasil em final disputada contra o Corinthians (2-2 em casa e 3-1 fora) e se tornando tetracampeão do torneio.[3]
Na Libertadores 2002, a equipe novamente chegou às semifinais, mas caiu diante do Olimpia do Paraguai nos pênaltis por 5-4.
2003-2005 — Decadência
No ano de seu centenário, em 2003, o Grêmio escapou do descenso apenas na última rodada, com uma vitória sobre o Corinthians, por 3-0. A partir desse ano, o Grêmio enfrentou o auge de sua crise financeira. Por causa da situação deixada pela ISL e pelas administrações passadas, o clube acabou atingindo uma situação insustentável. O Tricolor acabou devendo em encargos trabalhistas para jogadores, funcionários e para clubes.[18] Em 2004, com pouco dinheiro em caixa e uma dívida de 101,7 milhões, o time novamente foi montado sem dinheiro e saiu fraco.[19] No Campeonato Brasileiro, o time conseguiu vencer apenas nove jogos, entre quarenta e seis possíveis e foi rebaixado à Série B pela segunda vez. As dívidas contraídas pelo clube são tidas como fator capital para o rebaixamento do clube.
2005-2009 — A volta por cima
Em 2005, ainda sem dinheiro em caixa, o Grêmio continuava em situação quase falimentar. A dívida ascendia a 108 milhões, sendo 56 milhões a curto prazo.[19] Paulo Odone havia assumido a presidência do clube em lugar de Flávio Obino, cujo mandato acabara no ano anterior. Para tentar contornar a situação, o Hugo De León, ídolo do clube foi contratado como treinador.[20] No Campeonato Gaúcho, o time foi mal. Para tentar inverter a situação, Mano Menezes foi contratado para o lugar do uruguaio. Na Série B, o time foi mal no início, mas se classificou entre os oito primeiros e conseguiu disputar o quadrangular final. Nesta fase da competição, desperdiçou chances de ganhar da Portuguesa de Desportos e do Santa Cruz. A ascensão teve de ser decidida contra o Náutico, no Estádio dos Aflitos, em Recife. Depois de ter dois pênaltis marcados contra (desperdiçados pelo adversário) e quatro jogadores expulsos, o Tricolor, ainda assim, conseguiu marcar o gol do título, feito por Anderson. Desse modo , o time conseguiu a subida novamente à Série A.[3]
De volta ao convívio dos grandes em 2006, o Grêmio reconquistou a hegemonia no Rio Grande do Sul ao conquistar seu trigésimo-quarto Campeonato Gaúcho após dois empates (0-0 e 1-1) que deram o título ao Grêmio por causa do gol qualificado. No Campeonato Brasileiro de 2006, o time surpreendeu e chegou em terceiro, após um início irregular, conseguiu organizar o time e chegou na terceira colocação, se classificando para a Libertadores do ano seguinte.
Em 2007, o Grêmio foi bicampeão gaúcho. Na Copa Libertadores 2007, o time chegou até a final, mas foi derrotado pelo Boca Juniors (3-0 fora e 0-2 em casa). No Campeonato Brasileiro de 2007, o sexto lugar foi a colocação final.
Em 2008, a equipe teve um início de ano conturbado. Vágner Mancini, recém contratado para substituir Mano Menezes, foi demitido do clube com seis jogos disputados e nenhuma derrota.[21] Celso Roth foi contratado para ocupar a sua função.[22] Após as eliminações do Campeonato Gaúcho e Copa do Brasil, pelo Juventude e Atlético Goianiense, respectivamente, uma grande parte da torcida pediu a demissão do treinador. O diretor de futebol, Paulo Pelaipe, que estava no clube desde 2005, quando o clube subiu, acabou saindo da direção por causa dessa pressão. Apesar disso, o novo diretor de futebol, André Krieger deixou Roth no clube. Desse modo, o técnico levou o time ao vice-campeonato do Campeonato Brasileiro, um feito considerável, já que o treinador era desacreditado. Assim, a torcida acabou virando para o lado de Roth. A classificação final no Brasileirão rendeu ao Grêmio a classificação à Libertadores 2009.
Duda Kroeff, filho do patrono do clube, Fernando Kroeff, assumiu como presidente após eleição realizada no ano anterior. Ele venceu Antônio Vicente Martins, candidato da situação.[23] Após mais uma derrota em em Grenal, o técnico Celso Roth foi demitido. Marcelo Rospide, assumiu o cargo de treinador interinamente, até a chegada de Paulo Autuori, no fim de maio.[24]
O time acabou eliminado da Copa Libertadores de 2009, nas semifinais, ao perder pelo placar agregado de 5-3 (3-1 fora e 2-2 em casa) para o Cruzeiro. No intervalo de agosto de 2008 e julho de 2009, segundo o ranking da IFFHS, o Grêmio na nona colocação do ranking de clubes do mundo, sendo o melhor brasileiro e segundo melhor sul-americano, atrás somente do Estudiantes de La Plata, então campeão da Copa Libertadores.[25]
O final de 2009 também marcou a despedida do capitão Tcheco. O jogador esteve no Grêmio em 2006, 2007, 2008 e 2009 e foi um dos destaques desde a volta do time à Série A. Com 182 jogos pelo Grêmio, marcou 43 gols e conquistou dois Campeonatos Gaúchos (2006 e 2007) além de um Vice-campeonato da Libertadores e um Vice-campeonato do Campeonato Brasileiro. Ganhou pelo Grêmio também títulos individuais como 2º melhor meio-campista direito do Campeonato Brasileiro de 2008 e a Bola de Prata da Revista Placar em 2008. Sua despedida foi dia 29 de novembro contra o Grêmio Barueri em casa. o Grêmio venceu a partida por 4 a 2.[26]
No Campeonato Brasileiro, o clube terminou com um modesto 8º lugar, mas conseguiu fazer um feito inédito na era dos pontos corridos terminando o campeonato com uma campanha invicta em casa.[27] Na rodada final, o Flamengo derrotou o Grêmio no estádio do Maracanã por dois a um e ficou com o título da competição.[28] O Internacional, além de São Paulo e Palmeiras, teria chances de ganhar o campeonato caso o Tricolor vencesse. Ao término da partida, Duda Kroeff anunciou que Silas seria o treinador do clube na próxima temporada.[29] O presidente do clube também oficializou a contratação de Paulo Paixão para o cargo de preparador físico.[29]
BOTAO GREMISTA

2010-presente — Anos atuais
Em 2010 o clube disputou quatro competições: o Campeonato Gaúcho, a Copa do Brasil, o Campeonato Brasileiro e a Copa Sul-Americana. No dia 17 de janeiro, Silas estreou como treinador do Grêmio, vencendo por três a dois o Pelotas, no Estádio Boca do Lobo.[30]
O clube venceu o primeiro turno do Campeonato Gaúcho de 2010 (Taça Fernando Carvalho) ao derrotar o Novo Hamburgo por 1 a 0, no estádio Olímpico Monumental.[31] O time de 2010 comandado por Silas superou uma marca da temporada 1979, em que a equipe era comandada por técnico Orlando Fantoni, ao vencer quinze vezes consecutivas em competições oficiais. A série começou na vitória de cinco a um contra o Universidade, em 7 de fevereiro, pelo Campeonato Gaúcho e terminou na derrota para o Pelotas por dois a um, válida pela Taça Fábio Koff, em 8 de abril, o segundo turno da mesma competição.[32] Esta derrota provocou-lhe a eliminação na Taça Fábio Koff (segundo turno do Campeonato Gaúcho). Na final do Campeonato Gaúcho, contra o Internacional, campeão do segundo turno, o Grêmio venceu o primeiro jogo por dois a zero no Estádio Beira-Rio e perdeu por um a zero no Olímpico, conquistando a competição.[33] Foi o 36º título do certame conquistado pelo clube.
Na Copa do Brasil, após eliminar Araguaia, Votoraty, Fluminense e Avaí, o Grêmio foi derrotado pelo Santos. Após vencer a partida de ida em casa por quatro a três, o clube gaúcho perdeu por três a um na Vila Belmiro e parou nas semifinais da Copa; o clube paulista seria campeão daquela edição.[34]
Em agosto, Silas e Luiz Onofre Meira, diretor de futebol, foram demitidos, após perder para o Fluminense por dois a um em casa, em partida válida pelo Campeonato Brasileiro.[35] Renato Portaluppi, que treinava o Bahia foi contratado para a função de técnico.[36]
Na estreia de Portaluppi, o Grêmio foi derrotado por dois a zerp pelo Goiás em casa e eliminado da Copa Sul-Americana, já que havia empatado a primeira partida por um a um.[37]
Após a chegada de Renato Portaluppi, o clube chegou à quarta posição do Campeonato Brasileiro. Não obstante suaa colocação, o Grêmio não dependia apenas de si para se classificar à Copa Libertadores de 2011. Devido a uma mudança da regra, o campeão da Copa Sul-americana tiraria a última vaga do campeonato de seu país. A final entre Independiente e Goiás, realizada após o término do Campeonato Brasileiro, determinou a vitória do clube argentino e, portanto, a classificação do Grêmio à Libertadores do ano seguinte.[38]
Os destaques da temporada foram o atacante Jonas, artilheiro do Campeonato Brasileiro com vinte e três gols, Victor e Douglas, ambos indicados ao Prêmio Craque do Brasileirão.
Em 2011, o clube disputou a Copa Libertadores, o Campeonato Gaúcho e o Campeonato Brasileiro. Na fase preliminar da competição continental, eliminou o uruguaio Liverpool com placar agregado de cinco a três e se classificou à fase de grupos.[39] Contudo, a derrota para o Universidad de Chile, nas oitavas de final, eliminou o clube da competição. No Campeonato Brasileiro, terminou na décima segunda colocação.
No ano de 2012, o clube disputaria o Campeonato Gaúcho, em que foi vice-campeão, a Copa do Brasil, em que foi eliminado nas semi-finais pelo Palmeiras, o Campeonato Brasileiro e a Copa Sulamericana.
Em 2013 o Grêmio disputou o Campeonato Gaúcho, mas não chegou à final; e a Copa Libertadores, onde foi eliminado nas oitavas de final do torneio..
Por isso que esse time é o melhor que existe no mundo inteiro.
O clube disputa em 2014 o Gauchão, a Libertadores, o Brasileirão e a Copa do Brasil. Foi no Gauchão deste ano que o Grêmio conheceu a sua primeira derrota em Gre-Nais atuando na Arena, quando perdeu o Gre-Nal 400 pelo placar de 2x1, gols de Barcos para o Grêmio e Rafael Moura para o Internacional, em jogo válido pela primeira partida da final do Campeonato Gaúcho.
Após derrota para o Coritiba, pelo Brasileirão, o treinador Enderson Moreira foi demitido, sendo contratado no lugar o técnico Felipão, que não treinava o clube desde 1996.[84] Depois de perder a partida de estreia para o Internacional, o técnico Felipão deu o troco em clássicos Grenais com a vitória da equipe tricolor por 4x1 sob o Internacional, pelo Campeonato Brasileiro, marcando o Gre-Nal 403 como o da primeira vitória gremista na nova Arena, após 2 anos, 4 meses e 12 dias sem ganhar um clássico.[85] Na continuidade da temporada, no entanto, o Grêmio não conseguiu estabilizar-se nos resultados e a colocação do clube na tabela de classificação o retirou da Libertadores no ano seguinte.
Após anos de grandes investimentos em estrutura e departamento de futebol, 2015 começou diferente para o Tricolor. Com os caixas vazios e, como boa parte dos clubes brasileiros, muitas dívidas para pagar, a direção optou por reforços pontuais de baixo custo, negociou jogadores mais badalados - como Marcelo Moreno, Barcos e Riveros - e promoveu a subida de diversos jovens das categorias de base. Diversos empréstimos de jogadores importantes na temporada anterior também haviam acabado e o Grêmio passou pelo primeiro semestre com uma equipe bastante diferente daquela que apresentou ao país em 2014. Os resultados foram discretos: um segundo lugar no Campeonato Gaúcho e um início irregular no Campeonato Brasileiro, algo que custou o cargo do técnico Felipão. Para o seu lugar, foi confirmado o nome de Roger Machado, vitorioso ex-jogador do clube.
Em seus primeiros jogos no comando do Grêmio, Roger Machado aplicou ao time um conceito mais dinâmico de futebol, alinhado aos conceitos europeus de produtividade em campo. O estilo apoiado em um intenso e ágil toque de bola surtiu efeito logo na segunda partida, na qual o Grêmio precisou de apenas quatro minutos para abrir 2x0 sobre o Corínthians. Na sequência, o Grêmio empilhou ainda outras quatro vitórias e deu um salto na tabela que o levou à liderança da competição, de onde ele só se afastaria ligeiramente nas rodadas seguintes, mantendo-se sempre no topo da tabela. No crescimento coletivo, as individualidades surgiram, e jogadores como Luan, Giuliano, Douglas, Fernandinho, Pedro Rocha e Erazo, até então contestados, começaram a ser destacados pela imprensa como alguns dos melhores atletas do país. O progresso ainda ajudou a estabelecer jogadores como Wallace e Marcelo Grohe, que já possuíam bastante prestígio junto ao torcedor, mas que com os resultados aumentaram ainda mais a sua popularidade.
No dia 09 de agosto de 2015, a equipe que já marcava pelo bom momento entrou para a história ao aplicar 5x0 sobre o Internacional pela 17ª rodada com Campeonato Brasileiro. A goleada repetiu uma vantagem de placar que não ocorria há mais de 50 anos. Com um futebol amplamente superior ao do rival, algo muito raro em um clássico marcado justamente pelo equilíbrio, o Grêmio afundou o Internacional em uma crise técnica e política que fez parte da torcida pedir a cabeça do presidente colorado. O Grêmio, por sua vez, foi alavancado na competição e confirmou a boa fase vencendo o líder Atlético-MG na rodada seguinte em pleno Mineirão, em partida marcada por gol onde o Grêmio partiu do campo de defesa e deu 14 toques na bola até concluir em gol. O lance correu o mundo e foi tratado pela imprensa mundial como uma "aula de contra-ataque".
2016 :  GREMIO CAMPEAO DA COPA DO BRASIL ao vencer ao Atlético Mineiro nas finais sendo Renato Gaúcho o treinador do time.
EVOLUCAO DO ESCUDO DO GREMIO FUTEBOL PORTOALEGRENSE

Títulos

INTERCONTINENTAIS
             Competição                    Títulos   Temporadas
             Copa Intercontinental   1             1983Cscr-featured.png
CONTINENTAIS
             Competição                    Títulos   Temporadas
             Copa Libertadores da América  2            1983 e 1995
             Recopa Sul-Americana 1             1996
NACIONAIS
             Competição                    Títulos   Temporadas
             Campeonato Brasileiro - Série A 2          1981 e 1996
             Copa do Brasil               5     1989Cscr-featured.png, 1994Cscr-featured.png, 1997Cscr-featured.png2001, 2016
             Supercopa do Brasil      1             1990Cscr-featured.png
             Campeonato Brasileiro - Série B 1          2005
REGIONAIS
             Competição                    Títulos   Temporadas
             Copa Sul                         1             1999
             Campeonato Sul-Brasileiro         1            1962Cscr-featured.png
ESTADUAIS
             Competição                    Títulos   Temporadas
Campeonato Gaúcho                 36           1921Cscr-featured.png, 1922, 1926Cscr-featured.png, 1931Cscr-featured.png, 1932Cscr-featured.png, 1946Cscr-featured.png, 1949Cscr-featured.png, 1956Cscr-featured.png, 1957, 1958, 1959Cscr-featured.png, 1960Cscr-featured.png, 1962, 1963, 1964, 1965Cscr-featured.png, 1966, 1967, 1968, 1977, 1979Cscr-featured.png, 1980, 1985, 1986, 1987, 1988, 1989, 1990, 1993, 1995, 1996, 1999, 2001, 2006, 2007 e 2010
             Copa FGF                      1             2006
MUNICIPAIS
             Competição                    Títulos   Temporadas
             Campeonato Citadino de Porto Alegre   26        1911, 1912, 1914, 1915, 1919, 1920, 1921, 1922, 1923, 1925, 1926, 1930, 1931, 1932, 1933, 1935, 1937, 1938, 1939, 1946, 1949, 1956, 1957, 1958, 1959 e 1960
A BANDEIRA DO GREMIO

Estatísticas
Títulos de jogadores e treinadores
Premiação dada através da seleção do campeonato brasileiro feita pela revista Placar, sendo que desde 2007 foi feita uma parceria junto à ESPN Brasil.
Ano            Jogador      Bola de prata    Bola de Ouro  Artilheiro
1970           Everaldo                  1                      0                      0
1972           Beto Bacamarte       1                      0                      0
1973           Ancheta                   1                      1                      0
1976           Beto Fuscão             1                      0                      0
1977-1978  Tarciso                     2                      0                      0
1980           Baltazar                    1                      0                      0
1981           Paulo Isidoro           1                      1                      0
1982           Batista                      1                      0                      0
1984           De León                   1                      0                      0
1984           Renato Gaúcho        1                      0                      0
1988           Alfinete                    1                      0                      0
1996           Adílson                    1                      0                      0
1996           Goiano                     1                      0                      0
1996           Paulo Nunes            1                      0                      1
2000           Ronaldinho Gaúcho 1                      0                      0
2002           Tinga                        1                      0                      0
2002           Rodrigo Fabri           0                      0                      1
2006           Lucas Leiva             1                      1                      0
2008           Tcheco                     1                      0                      0
2009           Victor                       1                      0                      0
2010           Jonas                        1                      0                      1
2011           Mário Fernandes      1                      0                      0
2012, 2014 Zé Roberto               2                      0                      0
2013           Alex Telles               1                      0                      0
2014, 2015 Marcelo Grohe         2                      0                      0
2015           Galhardo                  1                      0                      0
2015           Geromel                   1                      0                      0
2015           Luan                         1                      0                      0
Total                                           30                    3                      3
Data              Nome do Jogador        Modalidade
30 nov. 1966 Leôncio Abel Vieira      Amador (Medalha de Ouro)
14 ago. 1969  Áureo Arruda                Profissional (Medalha de prata)
08 jun. 1971  Luiz Zittermann Torres Profissional (Medalha de prata)
27 jun. 1972  Everaldo                        Profissional (Medalha de prata)
Ano  Nome do Jogador Ouro Prata Bronze
2008 Victor                     2        1         0
2010 Jonas                      1        0         0
2006 Lucas                      1        0         0
2008 Tcheco                    0        1         0
2008 Rafael Carioca       0        1         0
2007 Diego Souza           0        1         0
2008 Celso Roth             0        0         1
2008 Réver                      0        0         1
2006 Mano Menezes       0        0         1
2006 William                   0        0         1
Obs: A partir de 2006.
Ano            Nome do Jogador Posição
2006           Lucas Leiva            V
2008–2009 Victor                     G
2010           Jonas                      A
2013           Alex Telles             LE
2015           Luan                       A

Maiores Artilheiros acima de 25 Gols
Dados atualizados em 10 de julho de 2015.
#     Jogador               Temporada                                        Gols                  
1º    Alcindo                1964–1971 e 1977                              264                    
2º    Tarciso                 1973–1985                                          222                    
3º    Gessy                   1956–1960                                          214                    
4º    Juarez "Tanque"   1955–1962                                          202                    
5º    Luiz Carvalho      1923-1929, 1931-1934 e 1938-1939  160                    
6º    João Severiano     1960 e 1962-1972                               132                    
7º    Baltazar                1979–1982                                          130                    
8º    Milton Kuelle      1953-1965                                           117                    
9º    Marino                 1960–1964                                          117                    
10º  Foguinho              1928-1942                                           110                    
11º  Osvaldo               1983–1986                                          106                    
12º  Jonas                    2007–2011                                          78                      
13º  Loivo                   1968-1975                                           74                      
14º  Renato Gaúcho    1982-1986 e 1991                               74                      
15º  Paulo Nunes        1995-1997 e 2000                               73                      
16º  Ronaldinho          1999-2001                                           68                      
17º  André Catimba    1977-1979                                           67                      
18º  Volmir                  1965-1975                                           67                      
19º  Éder                     1977-1979                                           66                      
20º  Jardel                   1995-1996                                           65                      
21º  Cuca                     1987-1990                                           64                      
22º  Yura                     1973-1979                                           64                      
23º  Lima                     1986-1989                                           63                      
24º  Neca                     1975-1976                                           60                      
25º  Paulo Isidoro       1980-1982                                           50                      
26º  Caio                     1983-1985                                           48                      
27º  Zé Alcino             1996-1999                                           48                      
28º  Barcos                  2013-2015                                           45                      
29º  Rodrigo Mendes  1998,2000-2002 e 2008                      44                      
30º  Zinho                   2000-2002                                           43                      
31º  Tcheco                 2006-2009                                           43                      
32º  Guilherme            1997-1999                                           39                      
33º  Douglas                2010-2012, 2015-                               38                      
34º  André Lima          2010-2013                                           38                      
35º  Gilson                  1993-1994                                           38                      
36º  Ânderson Lima    2000-2003                                           37                      
37º  Oberti                   1972-1974                                           35                      
38º  Nílson                  1990-1991                                           33                      
39º  Borges                  2010-2011                                           32                      
40º  Luan                     2014-                                                   30                      
41º  Arce                     1995-1997                                           25                      
42º  Christian              2003-2004                                           25            
          
Artilheiros
Ano  Nome do Jogador Gols
1922 Lagarto                   -
1922 Ramón                    -
1926 Coró                       -
1931 Artigas                   -
1932 Artigas                   -
1946 Cordeiro                 -
1946 Hélio                      -
1949 Geada                     -
1949 Hermes                   -
1956 Gessy                     -
1957 Hércio                    -
1957 Toquinho                -
1958 Milton                    -
1958 Giovani                  -
1959 Juarez                     -
1959 Gessy                     -
1962 Paulo Lumumba     13
1963 Marino                    18
1965 Alcindo                  21
1968 Alcindo                  12
1975 Tarciso                    13
1976 Alcindo                  17
1980 Baltazar                  28
1981 Baltazar                  20
1985 Caio Júnior             12
1988 Lima                       17
1990 Nílson                     22
1999 Ronaldinho            15
2014 Barcos                    15
Ano  Nome do Jogador Gols
1999 Macedo                  6
Ano  Nome do Jogador Gols
1993 Gílson                     6
1997 Paulo Nunes           9
Ano  Nome do Jogador Gols
1996 Paulo Nunes           16
2002 Rodrigo Fabri         19
2010 Jonas                      23
Ano
Nome do Jogador
Gols
1995 Jardel                      12
Curiosidades
  • Quebrou um tabu de 4 anos sem ganhar do Santos na Vila Belmiro, com um resultado final de 3-1 a favor do tricolor, inclusive sendo a única por mais de dois gols. As únicas vitórias do tricolor na Vila foram em 1999 e 2011, ambas ganhas por 1-0.
  • Em 9 de agosto de 2015, aplicou uma goleada impiedosa de 5-0 no maior rival, o Internacional, realizando um feito em que fazia mais de 50 anos que não acontecia em Grenais.
  • O primeiro gol da vitória por 2-0 contra o Atlético Mineiro no Mineirão pelo Campeonato Brasileiro, foi feito com um contra-ataque sensacional, com 23 toques em um intervalo de 23 segundos até o gol. Inclusive repercutiu mundialmente, como pelo Jornal Argentino "Olé", que anunciou "O maior tiqui tiqui", a CNN com "Contraataque fulminante de 11 pases termina con un golazo en Brasil", o jornal português "Record" com o anúncio de "O contra-ataque perfeito?".
MASCOTE GREMISTA

Recordes
Em outras competições
Maiores públicos do Grêmio no Estádio Olímpico Monumental
Abaixo, são listados os dez maiores públicos do Grêmio no Estádio Olímpico Monumental (1954-2013), antigo estádio gremista.
Maiores públicos do Grêmio
Posição  Adversário Resultado Campeonato Público total            Data                     
1Ponte Preta 0-1 Campeonato Brasileiro 98.421 (85.751 pagantes)  26 de abril de 1981
2 Flamengo 0-0 Campeonato Brasileiro                      74.238              21 de abril de 1982
3 Peñarol 2-1 Libertadores               73.093                28 de julho de 1983                      
4 Internacional 1-1 Campeonato Brasileiro 72.893 (64.767 pagantes) 29 de novembro de 1981                                      
5 Internacional 0-0 Campeonato Brasileiro 72.569 (63.522 pagantes) 5 de novembro de 1980                                        
6 Internacional 0-0 Campeonato Brasileiro 71.621    9 de fevereiro de 1989                  
7 Sport 2-1 Copa do Brasil               62.807                2 de setembro de 1989                 
8 Flamengo 0-1 Campeonato Brasileiro 62.256         25 de abril de 1982                       
Maiores Públicos do Grêmio na Arena do Grêmio
Como no Olímpico, antigo estádio gremista, fechado em 2013, se iniciou uma nova era na novíssima Arena do Grêmio. Dentre vários jogos com públicos brilhantes, listamos os dez maiores públicos da nova casa tricolor.
Maiores públicos do Grêmio
Posição  Adversário            Resultado  Campeonato     Público total (público pagante)         Data                                                            
1  Hamburgo 2-1 Amistoso  51.901 (46.969 pagantes)    8 de dezembro de 2012          
2 Internacional 0-0 Campeonato Gaúcho 48.204 (44.289 pagantes)    6 de março de 2016                                               
3 San Lorenzo 1-0 Libertadores 47.244 (44.082 pagantes) 30 de abril de 2014             
4  São Paulo 1-2 Campeonato Brasileiro 46.915 (44.277 pagantes)     13 de setembro de 2015                                        
5  Internacional 0-0 Campeonato Gaúcho 46.909 (43.681 pagantes)   26 de abril de 2015                                               
6 São Paulo 0-1 Campeonato Brasileiro 46.441 (43.653 pagantes)      4 de outubro de 2014                                            
7  Internacional 4-1 Campeonato Brasileiro 46.437 (43.456 pagantes) 9 de novembro de 2014                                       
8  Internacional 5-0 Campeonato Brasileiro 46.010 (42.432 pagantes) 9 de agosto de 2015                                             

HINO TRICOLOR - GREMIO ATÉ  ONDE O GREMIO ESTIVER

No hay comentarios:

Publicar un comentario en la entrada